Antigo blogue do projeto novasoportunidades@biblioteca.esjs

Antigo blogue do projeto novasoportunidades@biblioteca.esjs, patrocinado pela Fundação Calouste Gulbenkian
Escola Secundária José Saramago - Mafra

terça-feira, 24 de abril de 2018

segunda-feira, 23 de abril de 2018

JANELAS


André Vicente Gonçalves.
Imagem daqui.




ouverture la vie en close

em latim
«porta» se diz «janua»
e «janela» se diz «fenestra»
a palavra «fenestra»
não veio para o português
mas veio o diminutivo de «janua»,
«januela», «portinha»,
que deu a nossa «janela»
«fenestra» veio
mas não como esse ponto da casa
que olha o mundo lá fora,
de «fenestra», veio «fresta»,
o que é coisa bem diversa
já em inglês
«janela» se diz «window»
porque por ela entra
o vento («wind») frio do norte
a menos que a fechemos
como quem abre
o grande dicionário etimológico
dos espaços interiores
e ver-te
verde vênus
doendo
no beiracéu
é ver-nos
em puro sonho
onde
ver-te, vida,
é alto ver
através de um véu

Paulo Leminski, Toda Poesia, São Paulo, Companhia das Letras, p. 153.



quinta-feira, 19 de abril de 2018

DO NOME XV


Gustav Klimt (1862-1918), detalhe de As Três Idades da Mulher (1905).
Imagem daqui.



Os Nomes

Tua mãe dava-te nomes pequenos, como se a maré os trouxesse com os caramujos. Ela queria chamar-te afluente-de-junho, púrpura-onde-a-noite-se-lava, branca-vertente-do-trigo, tudo isto apenas numa sílaba. Só ela sabia como se arranjava para o conseguir, meu baiozinho-de-prata-para-pôr-ao-peito. Assim te queria. Eu, às vezes.

Eugénio de Andrade, Memória Doutro Rio, Lisboa, Assírio & Alvim, 2014, p. 37.



NO LIMITE DA DOR - A TORTURA NAS PRISÕES DA PIDE





quarta-feira, 18 de abril de 2018

CONHECER ABRIL






O Museu do Aljube - Resistência e Liberdade, para comemorar os 44 anos do 25 de Abril e festejar o 3º aniversário do Museu, organizou um programa especial e variado que inclui conferências, visitas guiadas e teatro.

Imagem e todas as informações disponíveis no sítio EGEAC - Cultura em Lisboa.



terça-feira, 17 de abril de 2018

O ANO DA MORTE DE RICARDO REIS - O INCIPIT

José Saramago, O Ano da Morte de Ricardo Reis, página datiloscrita do incipit.
Disponível aqui.



Aqui o mar acaba e a terra principia. Chove sobre a cidade pálida, as águas do rio correm turvas de barro, há cheia nas lezírias. Um barco escuro sobe o fluxo soturno, é o Highland Brigade que vem atracar ao cais de Alcântara. O vapor é inglês, da Mala Real, usam-no para atravessar o Atlântico, entre Londres e Buenos Aires, como uma lançadeira nos caminhos do mar, para lá, para cá, escalando sempre os mesmos portos, La Plata, Montevideo, Santos, Rio de Janeiro, Pernambuco, Las Palmas, por esta ou inversa ordem, e, se não naufragar na viagem, ainda tocará em Vigo e Boulogne-sur-Mer, enfim entrará o Tamisa como agora vai entrando o Tejo, qual dos rios o maior, qual a aldeia. Não é grande embarcação, desloca catorze mil toneladas, mas aguenta bem o mar, como outra vez se provou nesta travessia, em que, apesar do mau tempo constante, só os aprendizes de viajante oceânico enjoaram, ou os que, mais veteranos, padecem de incurável delicadeza do estômago, e, por ser tão caseiro e confortável nos arranjos interiores, foi-lhe dado, carinhosamente, como ao Highland Monarch, seu irmão gémeo, o íntimo apelativo de vapor de família. Ambos são providos de tombadilhos espaçosos para sport e banhos de sol, pode-se jogar, por exemplo, o cricket, que, sendo jogo de campo, também é exercitável sobre as ondas do mar, deste modo se demonstrando que ao império britânico nada é impossível, assim seja essa a vontade de quem lá manda. Em dias de amena meteorologia, o Highland Brigade é jardim de crianças e paraíso de velhos, porém não hoje, que está chovendo e não iremos ter outra tarde. Por trás dos vidros embaciados de sal, os meninos espreitam a cidade cinzenta, urbe rasa sobre colinas, como se só de casas térreas construída, por acaso além um zimbório alto, uma empena mais esforçada, um vulto que parece ruína de castelo, salvo se tudo isto é ilusão, quimera, miragem criada pela movediça cortina das águas que descem do céu fechado. As crianças estrangeiras, a quem mais largamente dotou (...)

José Saramago, O Ano da Morte de Ricardo Reis, Lisboa, Caminho, 1998, pp. 11-12.